O Bloco Dos Desesperados


Carnaval é uma festa desesperadora. Andei lendo cronistas e blogueiros que gosto durante esses dias, falando da folia, bem, mal,  nada contra, mas discordo. Carnaval é desespero. Não leve para o fanatismo religioso, moral ou gosto musical, não. Música, além da técnica, é movimento, discurso, instinto, tudo isso. Quando os três não batem com o modo de vida de alguém, não adianta fazê-lo gostar de certo estilo. É o mesmo que me fazer parar de gostar de Amy Winehouse e me convidar pra dançar um baião... No,no,no. Nada contra quem gosta, simplesmente, não dá.

Os estilos musicais e de vida não vão acabar porque outro não concorda. Não... não é por causa do samba, da batucada, eu acho a festa desesperadora pela falsa euforia que vemos nos sorrisos das pessoas e nos olhos delas não, pelo suor nojento e outros odores desnecessários comentar que se espalham nas ruas, o desespero que existe de pular e beber dias seguidos, esse cinismo de que sexo só existe no carnaval com as propagandas de “vista-se” das prefeituras, órgãos públicos, ONGs, e afins.

Então, é isso? As pessoas só transam quando ouvem a maravilhosa voz da Claudia Leitte na Bahia? Ou quando gritam no sambódromo:
-  Vai-vai.
- Porque você está gritando isso? Tá na torcida? – alguém pergunta.
- Ah, não, foram os batuques da Mangueira...  – alguém responde...



De certo, é um marketing, mas devo admitir que  este em relação ao sexo é burro. Como só se transasse no carnaval e no resto do ano, todos fossem castos e não precisassem de proteção, e os jovens não precisassem de uma política de informação mais frequente.  

Chamam tudo o que abrange o carnaval de folia, alegria, mas tudo isso é tão relativo. Quem nunca saiu em um final de semana com amigos pra beber,  dançar,  algumas vezes enlouquecer? Quem nunca foi ou foi chamado pra alguma festa a fantasia? E quem não se sente bem em uma festa? Quem não se fantasia para ir ao trabalho? Quanto ao sexo... bem, todo mundo quer transar, em qualquer época do ano, só não se sabe alguns momentos da vida com que pessoa ou coisa - há quem tenha outros fetiches, por objetos, por exemplo... 




O carnaval deixa  a percepção interna de que o mundo vai acabar em quatro dias e se você não aderir à festa, você vai morrer – é meio malafaiótica  essa questão. Ao longo de muitos acontecimentos diários, a impressão que fica é que um dia  tudo acabará e nos desesperamos internamente. Há o desespero de morrer, de envelhecer, de ficar sozinho, o último o mais angustiante de todos.

A solidão leva as pessoas ao tédio, e o tédio leva as pessoas a fazer coisas sem sentido –  coisas de gente desesperada mesmo, sabe?-  e durante nossos dias ficamos na sombra dele. A gente é que não se conforma, e cria adornos pra não alimentá-lo ainda mais. E ai, nos vendem ideias, ideias de vencer do nada,  que todo mundo tem mais de duzentos amigos, que todo mundo é legal... e que a vida acontece sem lutarmos por nada...  

 "É só pensar positivo.”. “Viva e deixe viver!”.  “É importante curtir sem pensar no dia de amanhã!”. Quem nunca ouviu  alguma  frase parecida ? Ideias que vendem máscaras falsas de conforto,  anti-solidão e anti-tédio... Deve ser por isso que o carnaval sobrevive... entre blocos, dança-se para esconder a dor .

Nosso carnaval não tem fantasias, logo reafirmo: carnaval é desespero, um encontro de solidões. Não é apenas herança cultural ou marketing, é a falsa impressão que estar em massa traz, de que não se está sozinho.

As fantasias acabaram, mas as máscaras sobreviveram - com ou sem renúncia do papa.




K.C



15 comentários :

  1. Rafael Elizandro Mataruco12 de fevereiro de 2013 16:58

    "Ao longo de muitos acontecimentos diários, a impressão que fica é que um dia tudo acabará e nos desesperamos internamente. Há o desespero de morrer. de envelhecer, de ficar sozinho, o último o mais angustiante de todos".
    Perfeito, e realmente nos vendem ideias de que naturalmente as coisas vão acontecer, isso vem até dos próprios pais. Pode gerar até frustração, caso se acredite em tais ideias e elas não aconteçam.
    A sociedade moderna é onde se consegue ficar só em meio a uma multidão, primeira grande revelação desde que comecei meu curso, a qual recuperou em minha memória agora.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. compartilho de muitas das suas frases, Rafael. Obrigada.

      Excluir
  2. Não vou nem dizer o que achei. Vou compartilhar na minha fanpage, se é que me entende... Parabéns!! Bjuxx :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Dr. Pedro Gobett, fico honrada rs. Bjs.

      Excluir
  3. Eu adoro o seu humor:

    "vai-vai
    porque está gritando isso? ta na torcida?
    Não foram os batuques da mangueira"

    Você é muito sagaz hehhehehe, mas enfim sobre o texto vemos que diretamente as pessoas andam desesperadas com tudo, em busca de cias que não importam se são falsas. Que bom que voltou a postar, Kelly Christi. Meus parabéns pelo texto pra variar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rsrs Sem humor é difícil viver no Brasil. Obrigada pelo carinho.

      Excluir
  4. Eu odeio o carnaval, e foi muito bem colocado no texto que é um treco desesperador e por busca de cias que nem se conhecem e quando acaba a gente percebe que ta só.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. é o mais desesperador. Obrigada, Luana, bjs.

      Excluir
  5. Atualiza, Kelly Christi!!!

    ResponderExcluir
  6. Sua coerência sobre o carnaval foi ótima, mas cade a crônica dessa semana??????????????????????????

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Andrea, acabei de postar, obrigada pelo puxão de orelha e carinho ;).

      Excluir
  7. Puxa Kelly! Parabens minha amiga! Seu texto está perfeito e com idéias muito coesas!
    Concordo com você!

    ResponderExcluir